Wednesday, September 23, 2015

Core Values (Português)


Eu desenvolverei o Responsabiliade porque eu faço todas as minhas lições de casa, e cheguo na classe na hora certa. Sempre escuto as pessoas na classe e o professor. Eu sou honesta e tenho compromisso pessoal para aprender português. Por outro lado, eu tenho que perder o medo de errar (Risk Taker) porque eu sou um pouquinho tímida na classe. E por causa disso, eu não falo muito em geral. Eu preciso fazer coisas novas, como nos projetos e também encontrar desafios para mim.
Ser um "Risk Taker" é importante na vida cotidiana porque reforça a idea de aventura. Se você nunca aceita o risco, você ficará sempre fazendo a mesma coisa e nunca sairá da sua zona de conforto. Ao sair dessa zona de comforto, você aprenderá muito sobre coisas diferentes, ao invés saber sobre só um aspecto da vida. Quando você sabe mais, você começa a crescer como como uma pessoa, que é muito importante.
Essa caracteristica está de acordo com a Graded porque a escola nos encoraja a correr riscos e também ater responsabilidade. Mas há outros core values como: equilibrio, comunicadores, curiosos, reflexivo, inovador para ser um bom aluno. Os core values são importantes porque nos fazem alunos melhores.
Em resumo, ser um Risk Taker é muito importante não só na escola, mais na vida cotidiana. Para poder aprender e fazer coisas diferentes e originais, nós temos que sair da zona de conforto, encarar coisas das que temos medo e tentar de novo se falhamos. Para ser um bom Risk Taker, temos que tambem ser responsaveis, cumprindo com as tarefas, sendo puntual e fazendo o maior esforço possivel para que os resultados do que voçê faça sejam muito bons. Temos que ser determinados para resaltar, melhorar e ajudar para  que sejamos  bons estudantes e cidadãos.

Thursday, September 17, 2015

Processo do Imigração no Brasil

Quando uma pessoa decide sair para imigrar, geralmente, ela está buscando uma vida melhor e um enriquecimento na terra estrangeira. No caso do Brasil, muitos imigrantes obtiveram sucesso. Entretanto,  nunca foi estudado o caso daqueles que não conseguiram ser bem sucedidos.
A autora desse texto “Imigrantes: histórias de fracassos no outro lado do Atlântico”, Lena Medeiros de Menezes fez esse estudo analisando documentos para estudar os imigrantes pobres, revalorizando a suas memórias. Um exemplo interessante  é de Manoel Real, um padeiro que chegou ao Brasil em 1890 quando tinha 26 anos. Solteiro e analfabeto, foi processado quando tinha 64 anos por ser mendigo (pobre, não tem onde para morar). Sarmiento era espanhol e chegou Brasil ao 1915 com a idade de 27anos. Foi acusado de ser ladrão quando tinha 40 anos e foi processado com vistas á expulsão.
Outro caso, Giusti, morador do centro da cidade, tabém foi processado por expulsão por ser bebado e considerado louco. Por isso, ele foi internado ao hospital dos alienados nos idos de 1919 e 1920. Na época, era muito valorizada a ideia da higiene, “com o discurso higienista que fundamenta o combate à mendicidade;” e por isso, os mendigos eram colocados na prisão porque eles poderam espalhar doenças. As pessoas que não trabalhavam “os vadios”, também eram colocados nos prisões porque havia uma valorização daqueles que trabalhavam. Tinha uma ideia quem não trabalhava ra ladrão. Como exemplo, temos o caso de Amadeu, português de Viseu que chegou ao Brasil com 11 anos. Foi processado e expulso no ano de 1928 com 25 anos por ser batedor de carteiras.
A solução encontrada foi: mandado de volta o pais de origem (os imigrantes que eram mendigos, ladrões, etc.) Eram colocados em navios e ao chegar lá, muitos já sentiam imigrantes na sua próprio país.


File:Imigrantes.jpg